Manutenção preventiva em sistemas hidráulicos

As manutenções preventivas são responsáveis por detectar problemas nos equipamentos da empresa. Essas supervisões, programadas com certa periodicidade, são realizadas geralmente para realizar a troca de alguma peça que tenha vida útil menor que as outras, como as borrachas de vedação ou fluidos, ou mangueiras hidráulicas, por exemplo. Esse tipo de ação deve ser prioridade, já que ela evita falhas nos sistemas da empresa e garante a segurança dos colaboradores e do funcionamento da empresa.

Agora, e no caso dessas manutenções não acontecerem de acordo com o programado? Bem, na pior das hipóteses, partículas contaminadas podem entrar no sistema e contaminar o fluido hidráulico. Quando o equipamento passa a funcionar de forma ineficiente, todo o processo fica prejudicado.

Que tal entendermos um pouco mais sobre a importância dessas manutenções para a sua empresa? Vamos lá então.

EFEITOS NOCIVOS DE CONTAMINANTES EXTERNOS

Nós já entendemos que os fluidos hidráulicos possuem propriedades próprias e especialmente elaboradas de acordo com a sua finalidade. Agora é importante entender quais são os efeitos gerados quando uma substância externa invade esse material. Esses fluidos são construídos a partir da introdução de aditivos que, entre outras coisas, auxiliam a regular a temperatura, reduzir partículas que não são captadas pelos filtros e a funcionar como soluções anti-desgaste. 

Para atingirem estas propriedades, estes aditivos são acrescidos a outras substâncias como: detergentes, antioxidantes, anti-espuma, entre outros, a fim de reter a viscosidade natural da água, que poderá interferir nas propriedades químicas projetadas para aquele fluido. Posto isso, podemos dizer que todo contaminante que entra nesse sistema torna-se um risco para o bom funcionamento dos equipamentos.

Outro fator importante que pode ser afetado pela ação de contaminantes é a temperatura. Caso o calor não possa ser mediado, algumas partes desse sistema que são consideradas críticas podem diminuir o desempenho, empenar e até quebrar.

Por fim, existe a possibilidade desses materiais externos se tornarem precipitados insolúveis, uma espécie de lama mais densa nas tubulações, sobrecarregando as bombas e muito provavelmente provocando entupimento de canais vitais dentro de toda uma cadeia hidráulica.

Mas, afinal, como podemos planejar um sistema de manutenção preventiva para a empresa? Nós te explicamos.

PLANO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA

O primeiro ponto para a criação de um bom plano de manutenção preventiva é assegurar que haja clareza dos fluidos e das filtragens, adequadas para cada tipo de fluido hidráulico. Determine se a limpeza dos fluidos acontecerá de acordo com os fabricantes ou com a recomendação dos operadores do equipamento. Essa definição é a mais importante inicialmente falando, já que ela designará os períodos em que o maquinário será revisado ou, até mesmo, renovado.

Depois disso, partimos para o segundo passo, que é definir qual método de monitoramento será usado, ou seja, como serão feitos os exames de qualidade e quantidade de fluido no sistema. Uma boa forma de definir esse método é fazendo testes, que podem acontecer com o envio de amostragens para laboratórios especializados nessas análises. Bons fornecedores de lubrificantes também realizam essas testagens em seus clientes. Eles irão monitorar e comparar os resultados, baseados em padrões de referência e limites estabelecidos pela sua empresa como aceitáveis. Já foram desenvolvidas também algumas ferramentas especiais que facilitam os testes de qualidade, utilizadas diretamente no campo.

Manter a manutenção do seu sistema hidráulico em dia é de suma importância, assim como ter objetivos e uma linha de produção coesa para auxiliar nesse processo, garantindo assim que seus equipamentos funcionem de acordo com as configurações do fabricante.

As mangueiras hidráulicas também devem ser inspecionadas com frequência em seus equipamentos para evitar falhas e acidentes. Antes dela falhar, alguns sinais podem ser notados como: Ressecamento, surgimentos de bolhas na cobertura, reforço de aço exposto, terminais oxidados ou pequenos vazamentos.

Todos esses são sinais de que a mangueira hidráulica chegou ao final da sua vida útil e que ela precisa ser substituída antes de causar uma falha e parada de máquina, ou pior, algum acidente com os colaboradores que operam o equipamento.

Quer saber mais sobre o tema? Siga a Hennings nas nossas redes socias e fique por dentro de tudo.